Luiz Ildefonso Simões Lopes

Luiz Ildefonso Simões Lopes comanda pelotão de executivos para Brookfield expandir no Brasil

12 de Abril de 2017

Luiz Ildefonso Simões Lopes | Brookfield Brasil | Luiz Ildefonso Simões Lopes comanda pelotão de executivos para Brookfield expandir no Brasil
Com um time de executivos gabaritado para aquisições, a empresa tem aproveitado as "pechinchas" do Brasil em crise para ampliar sua base no país.

As aquisições bilionárias feitas nos últimos anos no Brasil fizeram da Brookfield um dos principais destinos de grupos que precisam se desfazer de ativos. Tem sido na porta da gestora canadense que dezenas de empresas em dificuldade financeira batem todos os meses para tentar fazer negócio e reforçar seus caixas. Por ora, a gestora não tem decepcionado os vendedores. Após arrematar negócios de peso e somar R$ 60 bilhões sob gestão no país, fundo canadense vira destino de grupos que precisam vender ativos.

Em 2016, a gestora foi uma das protagonistas no fechamento de negócios, ao lado da chinesa State Grid, que comprou a CPFL. A canadense desembolsou cerca de R$ 20 bilhões para comprar empresas que foram colocadas à venda no susto, sobretudo por causa da Operação Lava Jato, que investiga corrupção em contratos da Petrobras. A crise econômica que assola o país também criou boas oportunidades para a empresa, cujo portfólio global é de US$ 250 bilhões de ativos. Algumas delas são garimpadas pelos executivos da Brookfield. Outras são oferecidas por bancos e pelos próprios donos das empresas, que precisam de dinheiro para honrar outros compromissos. A análise dessas propostas passa por um pente-fino rigoroso dos ativos. No Brasil, esse trabalho é feito por um pelotão de executivos comandados pelo carioca Luiz Ildefonso Simões Lopes, presidente da gestora no país e único brasileiro entre os 18 gestores seniores do fundo.

Apesar do movimento agressivo no último ano, a gestora é velha conhecida do Brasil. Desembarcou no final do século 19 para explorar oportunidades criadas pela frágil infraestrutura do país. Chegou por aqui ao criar uma companhia de bonde e de iluminação (que deu origem à Light) e nunca mais saiu. Hoje está presente em todos os ramos da infraestrutura - em portos, ferrovias, rodovias e saneamento - e de outros setores. Nos últimos dois anos, com a recessão e queda no valor dos ativos brasileiros, a gestora não perdeu tempo e fez pesadas aquisições. Fonte: Época Negócios Tags relacionadas: Brookfield, Luiz Ildefonso Simões Lopes, Luiz Lopes, CEO, Brookfield Brasil, Economia, Expansão