Luiz Ildefonso Simões Lopes

Brookfield não tem preocupações com agenda de curto prazo no Brasil

30 de Maio de 2018
Luiz Ildefonso Simões Lopes | Brookfield Brasil | Brookfield não tem preocupações com agenda de curto prazo no Brasil
Natureza de investimentos a longo prazo

As questões de curto prazo no País não são uma preocupação para a gestora canadense Brookfield que tem, por natureza, os investimentos de longo prazo como foco, segundo o presidente da companhia, Luiz Ildefonso Simões. “Não temos preocupação com agenda de curto prazo. Quando investimos em projeto hidrelétrico, por exemplo, o ciclo para início da operação é de dez anos. É de nossa natureza investir no longo prazo e pensar nas questões necessárias para melhorar o futuro”, afirmou durante o Fórum de Investimentos Brasil 2018 que acontece em São Paulo.

Ele ponderou que obviamente “a lista do futuro do Brasil é enorme”, mas que o País já progrediu muito. “A nossa mensagem é otimista. Porque o progresso obtido em uma série de coisas é grande. A estrada nunca é pavimentada. Tem suas curvas, mas a tendência vem sendo correta há anos”, destacou.

O executivo mencionou ainda que o Brasil não é para amadores e que o retorno em relação ao risco proporcionado pelo País é raro em outras localidades. Simões lembrou ainda que, embora haja necessidade de melhoria legal no País, a justiça é sempre “justa”. “Isso é fundamental para quem investe a longo prazo”, acrescentou.

O executivo comentou também sobre as aquisições da Odebrecht Ambiental e da rede de gasodutos Nova Transportadora do Sudeste (NTS) da Petrobras, que, segundo ele, somaram investimentos de US$ 6 bilhões. Segundo ele, ambas operações tiveram de ser conduzidas com muita cautela e custosas diligências, uma vez que a Brookfield é listada na Bolsa de Nova York e está sob o olhar dos órgãos reguladores norte-americanos e também do Departamento de Justiça (DOJ) dos Estados Unidos.

“As diligências custaram uma fortuna e demoraram mais ou menos um ano e meio, grande parte relacionadas à compliance”, lembrou acrescentando que obtiveram a “benção” do DOJ e das autoridades brasileiras. “Talvez o exemplo mais claro de que o que move a Brookfield é convicção”, disse. Fonte: Broadcast Estadão Tags relacionadas: Brookfield, Brookfield Brasil, Brasil, CEO, Luiz Ildefonso Simões Lopes, Luiz Lopes, Economia, Ativos, Setores, Investimentos